7 Dicas simples de organização que te ajudam a economizar dinheiro

1)Faça o cálculo da renda mensal

Calcule exatamente o valor mensal que você recebe, ou, a sua família. É imprescindível ter em mente os recebimentos para gastar com sabedoria, o que você consegue ganhar por mês deve ser mais do que você gasta, ou pelo menos, os créditos e débitos devem ser iguais para que não fique devendo.

2)Faça tabela com todos os gastos

Novamente, faça uma planilha com os seus gastos ou da sua família (se tiver). Através dessa tabela poderá analisar com precisão os gastos e o valor total mensal (que devem ser menores que a renda familiar mensal). Também será possível verificar as despesas desnecessárias ou excessivas com mais facilidade e as eliminar. Há também aplicativos e sites próprios para controlar seus gastos.

3)Converse com os outros

Conversar com seus familiares mostrando e explicando a situação financeira em que se encontra pode ser ótimo para estimular a ajuda dos outros, até mesmo para que as crianças já comecem a entender melhor a importância de economizar e valorizem mais o que têm. Ao discutir os gastos cada um pode se comprometer a ajudar com alguma outra renda ou apenas diminuindo alguma despesa dispensável. Por meio de conversas também pode se combinar ações em conjunto para economizar como sempre apagar a luz, tomar banhos mais curtos, diminuir a conta de celulares, mudar o sistema de alimentação e etc.

4)Tenha mais de uma fonte de renda

Está cada dia mais difícil conseguir/manter emprego fixo com bom salário de forma honesta, por isso mesmo, que a cada dia cresce a demanda de profissionais autônomos e liberais. Para completar a sua renda mensal é possível fazer um trabalho extra, os “bicos”, nos períodos em que não prejudique seu expediente normal. O que fazer vai depender de suas habilidades, além de sua criatividade e empreendedorismo. As atividades podem ser as mais variadas possíveis, como exemplo: faxineira, manicure, vendedor, corretor, jardineiro, entregador, cozinheiro, fotógrafo entre outros…

5)Controle seus gastos com cartão de crédito, empréstimos, financiamentos…

Tente gastar somente o necessário e com o dinheiro que já tem, não conte com a possibilidade de ter mais no futuro. Assim, procure pagar suas contas com dinheiro ou no cartão de débito assim o controle sobre o que você já gastou e o que você ainda poderá gastar ficará mais claro. O cartão de crédito é ótimo para mascarar sua dívida, com ele você vai comprando, comprando, comprando… e só quando vem a fatura que percebe o tamanho da dívida  e o prejuízo que será pagar as taxas de juros (no caso de inadimplência ou pagamento mínimo) que costumam ser altíssimas. Mas claro que pode ser um ótimo aliado para quem consegue se controlar, pois as instituições financeiras oferecem muitos benefícios aos usuários de cartão. Os empréstimos e financiamentos somente devem ser contratados caso seja realmente necessário, avaliando-se com muita cautela a melhor opção para seu caso concreto levando-se em conta as condições do contrato. E cuidado também para não cair no cheque especial da sua conta bancária, os bancos cobram muito porque sabem que fica com saldo negativo na conta, não tem como pagar tão cedo e realmente precisa do dinheiro.

6)Invista e poupe

Se houver possibilidade, informe-se sobre investimentos e tente separar uma porcentagem de seus ganhos para investir mesmo que apenas na poupança. Assim, seu dinheiro estará rendendo e você terá onde recorrer em caso de emergências, como: tratamento médico de urgência, assaltos, conserto de carro, reforma da casa e etc.

7)Planejamento antecipado

É possível economizar com ofertas e promoções oferecidas antecipadamente, assim, por exemplo: se está pensando em viajar poderá esperar sair aquela promoção para comprar, ou mesmo negociar com as empresas um pacote mais barato, com mais parcelas e sem juros. Assim, até o dia da viagem você já pagou os principais custos e precisará se preocupar apenas com as despesas durante a viagem. Diferente do que ocorreria se você decidir de última hora e precisar adquirir um empréstimo, que cobrará juros altos e você terá que continuar pagando depois da viagem.

O mesmo acontece com aquisição de bens, sempre que puder se programar antecipadamente as condições poderão ser melhores, se for comprar uma casa ou um carro, por exemplo, quanto maior a entrada menor serão os juros das outras parcelas (podendo ser até sem juros). Além de poder comprar sem o empréstimo ou financiamento que cobram taxas de juros maiores.

Como fazer financiamento da casa própria, aproveitando o crédito para habitação e financiar um veículo novo ou fazer empréstimo para dar de entrada e trocar o automóvel?

Para você que está dizendo “quero comprar uma casa, quero comprar um carro, quero fazer financiamento para comprar casa, quero fazer financiamento para comprar veículo, como financiar uma casa, como financiar um carro”, então, temos a resposta para todas essas questões.

O financiamento é sem dúvida a melhor opção para conseguir obter dinheiro do banco, que nada mais é do que um empréstimo. Assim, ao invés de você receber o dinheiro como em um empréstimo tradicional e comum, o banco já irá transferir esse dinheiro para quem está vendendo o imóvel ou veículo.

Por exemplo, se você for comprar uma casa, o proprietário irá receber o dinheiro do banco e você será o novo proprietário da casa e irá pagar as parcelas do financiamento ao banco e não para o antigo proprietário.

Mas você só terá a casa mesmo em seu nome quando fizer a quitação de todo financiamento. Antes disso, o imóvel fica alienado em nome do banco ou instituição financeira que realizou o financiamento, como garantia de que você irá pagar todas as parcelas do financiamento.

Por isso, o banco consegue liberar altos valores do financiamento, pois tem mais garantias de que não haverá inadimplência, já que em caso de não pagamento, você perde a propriedade.

Para evitar esse tipo de problema, procure se planejar bem antes de realizar algum financiamento, tenha em mente que as parcelas não podem comprometer todo seu salário e renda, pois você ainda tem as despesas e contas do mês que já são fixas, como contas de água, energia elétrica, telefone, consumo de alimentação, vestuário entre outros.

Fazendo todo esse planejamento, você irá garantir que só irá realizar o financiamento se as parcelas estiverem dentro do seu orçamento, mesmo que precise fazer um financiamento mais longo, mas já evitando qualquer dor de cabeça no futuro.

Como e onde fazer financiamento?

Popularmente são os bancos ou instituições financeiras que disponibilizam financiamentos. Quanto maior a instituição ou banco, melhores podem ser suas chances de conseguir a aprovação de um financiamento, já que o banco maior tem mais dinheiro para liberar e comprar o imóvel que você deseja.

Indo diretamente no banco em que você já possui conta para fazer o financiamento é o melhor início, como por exemplo, solicitar financiamento no Banco do Brasil, fazer uma simulação de financiamento da casa na Caixa Econômica Federal, através do programa Caixa Habitação, ou em bancos particulares, que também pode tentar pedir seu financiamento no Itaú, fazer propostas de financiamento com o Bradesco que comprou o HSBC ou obter financiamento no Santander.

Também tem outros bancos menos populares mas que também realizam financiamento, dependendo do perfil do cliente e que podem ser ótimas soluções. Então, tente fazer tentativas para solicitar financiamento no Banco Original, pedir um financiamento no Banco Daycoval, fazer um financiamento no Banco Inter, solicitar uma proposta de financiamento ao Citibank, pedir financiamento no Banco Pan, receber financiamento do BTG Pactual, receber financiamento com o Banrisul, fazer uma simulação de financiamento online no Paraná Banco, realizar seu financiamento no Banco Mercantil ou tentar fazer financiamento em cooperativas de crédito como a Sicredi ou Sicoob.

Geralmente, muitas dessas instituições financeiras menores ou alternativas não irão realizar financiamento, pois pode ser um produto específico que não disponibilizam. Então, deixamos como alternativa de pesquisa, através do nome desses bancos ou instituições financeiras.

Assim, ainda que não realizem financiamento ou não façam financiamento para o tipo de produto que está tentando comprar, você poderá tentar, nessas mesmas instituições financeiras, fazer um empréstimo e usar o valor para dar de entrada.

Com um valor de empréstimo que você recebe para dar de entrada em um imóvel ou veículo, poderá diminuir o valor necessário para financiamento, e poderá conseguir aprovação mais fácil e diminuição dos juros pagos, já que o valor financiado ficou menor e talvez até o prazo seja mais curto.

Mas é importante não se esquecer de que você precisará ter renda tanto para pagar o financiamento, quanto para pagar o empréstimo, se realmente realizar essa opção, de usar o dinheiro do empréstimo para dar de entrada em um imóvel ou veículo e depois financiar o restante.

Caso fique muito apertado, tente primeiro comprar a casa própria, pois é mais importante e depois comprar o veículo. A menos que precise do veículo para trabalho, então, inverta a ordem, mas sempre comprando e quitando primeiro um para depois fazer outra dívida e comprar o outro bem, para evitar atrasos, inadimplência e para não perder seu bem financiado.